Da cor que eu quiser

Estou celebrando a alegria de fazer anos de esperança…
Aprecio partir e chegar, mas hoje mais do que ontem observo o caminho.
Houve um tempo que fazer aniversário me perturbava. Penso que era receio de crescer, do tempo passar, de não haver dias suficientes para realizar ‘tudo’, verbalizar sentimentos, demonstrá-los, vivê-los.

Ausênsia

Tantas palavras ditas, abraços, lágrimas, acolhimento, orações e abençoadas intenções, mas nada, desde o início fizeram a Morte ser diferente da Morte.
Porém há tanta Vida na Morte!
Vida que está presente nas vivências compartilhadas lado a lado.
Não estar juntas nesse dia, faz repensar meu estar nesse mundo e dar mais valor ao milagre da convivência.
Hoje sei que embora não possa escolher o que me acontece, posso, por outro lado, escolher o que fazer diante daquilo que tira o chão. Escolhi ter Fé!