Epidemia de cafajestes. Previna-se!

E eles são feito praga. Os mais experientes usam até disfarce – intelectuais, poetas, carentes, separados, separando, pois têm consciência que, ao se mostrarem tal como são, ficam a ver navios. Dizem, à boca miúda, que há ao menos um cafajeste na biografia de toda mulher… Geralmente são as tais ‘paixonites’ agudas, mas depois meu caro, quando a máscara cai, não há investida que a faça querer repetir a dose.