Canção Final por Carlos Drummond de Andrade

Oh! se te amei, e quanto!
Mas não foi tanto assim.
Até os deuses claudicam
em nugas de aritmética.
Meço o passado com régua
de exagerar as distâncias.
Tudo tão triste, e o mais triste
é não ter tristeza alguma.
É não venerar os códigos
de acasalar e sofrer.
É viver tempo de sobra
sem que me sobre miragem.
Agora vou-me. Ou me vão?
Ou é vão ir ou não ir?
Oh! se te amei, e quanto,
quer dizer, nem tanto assim.

2 Comentários
  • Yuri Baiocchi

    Que paradoxo perfeitamente compreensível: “(…) Tudo tão triste, e o mais triste/ é não ter tristeza alguma. (…)”. A vida por si só é feita de bons e maus momentos, tristeza é normal, mas quando a tristeza nos vem sem motivo, é algo para se preocupar…

  • Rosy cardoso

    Hummmmmmm hummmmmmm deliciaaaaaa! Adoro deleitar me nas palavras que se dispõe em camadas de sabedoria.

Deixe um comentário

Você pode usar estas tags HTML <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>